Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Escrita d'Alma

Escrevo como quem abre a sua alma e partilha o melhor do seu ser na companhia dos seres mais maravilhoso os meus animais , Maggie e Fluffy.

Escrita d'Alma

Escrevo como quem abre a sua alma e partilha o melhor do seu ser na companhia dos seres mais maravilhoso os meus animais , Maggie e Fluffy.

06 de Maio, 2021

Partilha...Escrever, criar e deixar as emoções fluírem

Escrever, criar, deixar as emoções fluírem!

Não é novidade na minha vida.

Na adolescência, com a descoberta do filme O Clube dos Poetas Mortos, com o estudo e a descoberta de poetas portugueses e escritores como Florbela Espanca, Eugénio de Andrade, Miguel Torga, Fernando Pessoa entre muitos outros, despertei este gosto pela escrita.

Lembro-me de nessa altura ter criado um caderno, ao qual chamei exatamente o mesmo nome do filme Clube dos Poetas Mortos, onde escrevia poesia, onde criava, onde me encontrava e guardava só para mim.

Nunca mostrei a ninguém, como a minha essência lá residia!

No fim do caderno e passado uns anos, decidi que aquelas palavras, aqueles sentimentos, aquelas emoções e aquele pedaço do meu ser interior, só a mim e ao Universo pertenciam que ninguém deveria ler. E, assim, entreguei-o ao Universo. Naquela altura, não queria partilhar com ninguém o que escrevia porque considerava que partilhar algo tão íntimo era assustador e constrangedor.

Agora, vejo que partilhar é a coisa mais maravilhosa e um ato de puro amor próprio e de puro amor com todos vocês, para com todos os seres e para com o Universo.

No entanto, não deixa de ser assustador, de meter medo, porque ao partilhar abro todo o meu ser, toda a minha essência a vocês, a todos os seres e ao Universo.

 

Com gratidão,

Cátia Santos

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.